As consequências do uso da ritalina sem prescrição médica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5761413

Palavras-chave:

Ritalina, Metilfenidato, Efeitos adversos, Consequências

Resumo

Teve como objetivo avaliar o uso da medicação Ritalina® em acadêmicos sem prescrição médica e quais os efeitos que essa medicação pode causar no organismo humano. Essa pesquisa tem o intuito de mostrar a importância do uso correto da medicação metilfenidato, e do diagnóstico preciso para o uso dele, além de provar que ele só deve ser utilizado com prescrição médica, pois ele pode causar efeitos colaterais graves. Metodologia:  Foi confeccionado usando a norma ABNT, realizado um estudo de revisão de literatura, por meio das bases de dados, SCIELO (Scientific Eletronic Library On-line), MEDLINE, LILACS, Google Acadêmico, Bireme, Ebsco Host, Pubmed, livros e 17 artigos publicados entre os anos 2011 á 2021 em português, inglês e espanhol. As Palavras-chaves são “Ritalina”, “metilfenidato”, “efeitos adversos”, e “consequências”, em língua portuguesa, espanhola e inglesa, relacionados aos temas, isoladas e agrupadas entre si. Foram incluídos os artigos que obedeceram aos seguintes critérios: (1) estudos que tenham como foco no uso de Ritalina® por estudantes sem prescrição médica (2) estudos que estejam disponíveis em texto completo. Resultados: As consequências do uso do metilfenidato sem prescrição médica,  ou até sem acompanhamento de uma equipe multidisciplinar para tratamento do Transtorno para qual a medicação é indicada, são de abuso e dependência, mascaramento de doenças evolutivas, principalmente as de saúde mental como ansiedade e síndrome do pânico, diminuição do apetite, diminuição do sono, levando a consequência de qualidade do sono diminuída, problemas cardiovasculares pontuais e transitórios, como aumento da pressão sistólica, frequência cardíaca e respiratória, se o indivíduo já tiver problemas cardíacos preexistentes pode levar até ao óbito.   Conclusão: O uso da Ritalina® por tempo indeterminado e indiscriminado, causam consequências neurológicas, físicas e mentais nas pessoas que a consomem, fazendo-nos pensar sobre a ingesta e venda dessa medicação para públicos como universitários, e que a receita e acompanhamento médico correto são indispensáveis.

 

Biografia do Autor

Alessandra de Almeida Pontes  Schuindt, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

[1] Possui graduação em Farmácia pelo COLEGIO SENA AIRES (2021) e ensino-medio-segundo-graupelo Centro de Ensino Médio 404 de Santa Maria(2007). Tem experiência na área de Enfermagem

 Vitória Chaves Menezes, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

[2] Graduação em andamento em Farmácia. COLEGIO SENA AIRES, CTESA_PPROV, Brasil.

Clezio Rodrigues de Carvalho Abreu, Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, GO, Brasil

[3] Mestre em Farmacologia Toxicologia e Produtos Naturais no curso de Ciências da Saúde - UNB; Especialista em Farmacologia Clínica - UNB; Especialista em Gestão da Assistência Farmacêutica - UFSC; Especialista em Didática do Ensino Superior - FACESA; Possui graduação em Farmácia - FACESA (2009). Professor de Pós Graduação em Farmacologia Clínica; Tem experiência na área de Farmacologia Clínica, Gestão da Assistência Farmacêutica e Acompanhamento Farmacoterapêutico.

Referências

Agência de Vigilância Sanitária –ANVISA. Prescrição e consumo de metilfenidato no Brasil: identificando riscos para o monitoramento e controle sanitário Boletim de Farmacoepidemiologia do SNGPC,2012.

BARROS, Denise; ORTEGA, Francisco. Metilfenidato e aprimoramento cognitivo farmacológico: representações sociais de universitários. Saúde e Sociedade, v. 20, p. 350-362, 2011

Campos, Paula Cristina; Awelino, Jessica Fernanda; ROMANICHEN, Francine Maery Dias Ferreira. Uso Indiscriminado de Ritalina® por estudantes universitários do Norte do Paraná, Brasil, Brazilian Journal of health Review,2020

CARNEIRO Samara Guerra; PRADO Salviano Teixeira; MOURA Hermiton Canedo. STRAPASSON João Francesco. RABELO Natália Ferreira. RIBEIRO Tiago Turci. O uso não prescrito de metilfenidato entre acadêmicos de medicina. Cad Uni FOA, 2013.

COLI, Ana Clara Maud. SILVA Marilia Pires Sousa. NAKASU Maria Vieira Pinto. Uso não prescrito de Metilfenidato entre estudantes de uma faculdade de Medicina do sul de Minas Gerais, Revista Ciência em Saúde v6. N3, 2016

DA GRAÇA, Carina Susana Gouveia. Consumo de estimulantes cerebrais nos estudantes de Medicina da Universidade da Beira Interior. Covilhã; 2013

DA SILVA Luana Andrade. et al. Ritalina, uma droga que ameaça a inteligência. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v. 7, n. 1, 2018.

CONTE, Julia, Revista Drauzio Varella disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/psiquiatria/levantamento-indica-aumento-de-quase-800-no-consumo-de-ritalina-no-brasil/Nascimento, Camila Suica do et al. Avaliação da automedicação entre estudantes de medicina de uma instituição de ensino de Alagoas. Revista de Medicina, [S. l.], v. 98, n. 6, p. 367–373, 2019

Nunes, Solange Silva. Junior, Paulo Silas Morais Lyra. O USO DA RITALINA® POR ACADÊMICOS: Desenvolvimento Acadêmico sob o efeito da Ritalina®, FAEMA,2020

Metilfenidato: informações sobre medicamentos, Reimpressão oficial do UpToDate, acesso em 30/11/2021 , disponível em : file:///C:/Users/dielson/Downloads/Methylphenidate_%20Drug%20information%20-%20UpToDate.pdf

Morgan Heni Luiz; Petry Arthur Franzen; Licks Pedro Afonso Keller; Ballester Arthur Oliveira; Teixeira Kellwin Nery; Dumith Samuel C. Consumo de Estimulantes Cerebrais por Estudantes de Medicina de uma Universidade do Extremo Sul do Brasil: Prevalência, Motivação e Efeitos Percebidos, Rev. bras. educ. med. vol.41 no.1 Rio de Janeiro Jan./Mar. Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, Brasil, 2017.

Silva Ana Carolina Pereira; Luzio Cristina Amélia; Santos Kwame Yonotan Poli. Yasui Silvio. Dionísio Gustavo Henrique. A explosão do consumo da ritalina. Rev Psicol UNESP. 2012

Silva, Italo Henrique Alves; Leite, Arthur Hipólito Pereira; Telles, Maria da Silva. Uso indevido de Metilfenidato por universitários da área da saúde: revisão sistemática, UFPE, 2020.

Tarcisio CSC. et al, Uso não uso não-prescrito de metilfenida -prescrito de metilfenidato entre estudantes de medicina da universidade to entre estudantes de medicina da universidade Federal da Bahia,2011.

Tolentino Jacqueline Elene Faria; netto José Paulo Silva.O uso off label de metilfenidato entre estudantes de medicina para aprimoramento do desempenho acadêmico, ESCS, Brasília-DF, 2019

Westfall TC. Westfall DP. Agonistas e antagonistas adrenérgicos. In: Brunton Ll. Goodman e Gilman: as bases farmacológicas da terapêutica. 12ª ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill; 2012. p 299-300.

WILLIANS RJ, Goodale LA, Shay- Fiddler MA, Gloster SP, Chang SY. Methylphenidate and dextroamphetamine abuse in substance-abusing adolescents. Am. J. Addict. 13:381-389, 2004.

Publicado

2021-12-06

Como Citar

Schuindt, A., Menezes, VitóriaC., & Abreu, C. R. de C. . (2021). As consequências do uso da ritalina sem prescrição médica . Revista Coleta Científica, 5(10), 28–39. https://doi.org/10.5281/zenodo.5761413