A farmácia e o manejo da dor diante de pacientes oncológicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5761689

Palavras-chave:

Pandemia. Covid-19. Automedicação.

Resumo

Tema: automedicação em tempos de pandemia. Problema: Quais os desafios do profissional em farmácia diante da automedicação durante a pandemia do novo coronavírus pela população brasileira? Hipótese: o uso indiscriminado de medicamentos é um problema grave em tempos de pandemia, que ameaça a saúde física e mental das pessoas que utilizam esses procedimentos. Objetivos: analisar os desafios dos farmacêuticos diante da automedicação durante a pandemia do novo coronavírus pela população brasileira. Justificativa: no Brasil a automedicação representa um risco que pode causar graves problemas de saúde e o farmacêutico tem papel importante na educação quanto ao uso de medicamentos.  Metodologia: Trata-se de uma revisão bibliográfica. Resultados: durante a pandemia o uso irracional de drogas prevaleceu devido às supostas possibilidades de cura para a Covid-19.

Referências

Rabelo ML, Borella MLL. Papel do farmacêutico no seguimento farmacoterapêutico para o controle da dor de origem oncológica. Rev. Dor, 2013 http://www.sc,ielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132013000100014&lng=en. https://doi.org/10.1590/S1806-00132013000100014.

INCA – Instituto Nacional do Câncer. O que é Câncer? 2020. Disponível em:

https://www.inca.gov.br/o-que-e-cancer Acesso em 20 de Abril de 2021.

Saito DYT, Zoboli ELCP. Cuidados paliativos e a atenção primária à saúde: scopingreview. Rev. Bioét. 2015, vol.23, n.3, pp.593-607.

Santos NAR, Santos ATC, Silva RP. Estratégias de enfrentamento de enfermeiros no cuidado aos pacientes com neoplasias de cabeça e pescoço. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 50, n. 4, p. 569-578, Aug. 2016 .

Geovanini F, BRAZ Marlene. Conflitos éticos na comunicação de más notícias em oncologia. Rev. Bioét. Brasília, v. 21, n. 3, p. 455-462, dez. 2013 .

Monteiro ACR, Rodrigues BMRD, Pacheco STA. O enfermeiro e o cuidar da criança com câncer sem possibilidade de cura atual. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 16, n. 4, p. 741-746, Dec. 2012 .

Eduardo LS, Barreto, AMM, Oliveir, LCS, Bezerra TRM, Vieira LMV. Ações de enfermagem diante da dor do recém-nascido: revisão integrativa da literatura. Cobracis,2017.

Balda RCX, Ruth G. A linguagem da dor do recém-nascido. Documento Científico do Departamento de Neonatologia. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2018. v. 1, n. 1, pp.01-16. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/DocCient-Neonatol-Linguagem_da_Dor_atualizDEz18.pdf

Acesso em: 25 Fev. 2021.

Reck MSM. A importância da orientação farmacêutica no manejo da dor oncológica com uso de opióides: relato de experiência. Oncologia clínica e cirúrgica, 2020.

Fialho FA, Vargas IM, Santos RS et al. Humanização permeando o cuidado de enfermagem neonatal. Rev enferm UFPE on line.2016.

Campos APS. Dor neonatal: conhecimento, atitude e prática da equipe de enfermagem. BrJP. Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor. 2018, vol.1, n.4, pp.354-358.

Fernandes LMS, Souza AM. Significados do câncer infantil: a morte se ocupando da vida na infância. Psicol. Estud. 2019, vol.24, e39521.

Costa R, Padilha MI. A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal possibilitando novas práticas no cuidado ao recém-nascido. Rev. Gaúcha Enferm. 2011, vol.32, n.2, pp.248-255.

Costa, D.D, Gonçalves, J.C, Cantino, R. C. G, Moura, R. S. (2021) Sobre a interdisciplinaridade como conceito. Revista Coleta Científica, vol. 5, n. 9, p. 119–134

Mendes LC, Fontenele FC, Dodt RCM, Almeida LS, Cardoso MVLML, Silva, CBG. A dor no recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal, Rev enferm UFPE on line.2013.

Kawagoe CK, Matuoka JY, Salvetti MG. Instrumentos de avaliação da dor em pacientes críticos com dificuldade de comunicação verbal: revisão de escopo. Rev. dor. 2017, vol.18, n.2, pp.161-165.

Santos GC, Lima LM, Oliveira GB, Souza ARS, Freitas VS. Intervenção de enfermagem no controle da dor em neonato: eficácia de ações não farmacológicas. Rev enferm UFPE on line, 2015.

Deves A, Santos A, Palavro JR, Delatorres LST, Flor J, Jacoby LC. A identificação e tratamento da dor em recém-nascidos; Cesuca. 2015. Disponível em: http://www.sbp.com.br/institucional/a-sbp/. Acessado em 13 de outubro de 2018.

Rabelo MLB, Márcio LM. Papel do farmacêutico no seguimento farmacoterapêutico para o controle da dor de origem oncológica. Revista Dor. 2013, v. 14, n. 1, pp. 58-60. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1806-00132013000100014.

LIU, Jun; ZHAO, Chaoyue; YANG, Song; DONG, Chen. LncRNA SNHG1 promotes the development of oral cavity cancer via regulating the miR-421/HMGB2 axis. Cellular And Molecular Biology, [S.L.], v. 66, n. 8, p. 14-19, 31 dez. 2020. CMB Association. http://dx.doi.org/10.14715/cmb/2020.66.8.3.

Publicado

2021-12-06

Como Citar

Silva, A. S. da ., Braga, R. P. L. ., & Queiroz, F. J. G. . (2021). A farmácia e o manejo da dor diante de pacientes oncológicos . Revista Coleta Científica, 5(10), 50–58. https://doi.org/10.5281/zenodo.5761689