OS BENEFÍCIOS DO USO DE GAMETERAPIA COM IDOSOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.6484931

Palavras-chave:

Gameterapia. Idosos. Equilíbrio em Idosos. Tecnologia para o Idoso. Gerontologia.

Resumo

Atualmente dentro da sociedade brasileira, tivemos um grande aumento do número demográfico de idosos adjunto um grande salto na tecnologia , tendo em consideração que muitos idosos temem ou até mesmo possuem dificuldades para entender como se utiliza tais aparelhos eletrônicos, a fisioterapia pode a atuar com o uso gameterapia que ganha cada vez mais espaço dedicados à terceira idade possibilitando trabalhar o equilíbrio, o condicionamento físico, aeróbica e a estimulação cognitiva, os jogos produzem movimentos semelhantes ao que fazemos dentro da fisioterapia convencional, levando em conta o dinamismo e a forma interativa que o paciente visualiza sua evolução, passando de nível e conquistando mais pontos, tornando o tratamento mais leve e humanizadoq

Biografia do Autor

Carla Chiste Tomazoli Santos, Faculdade Anhanguera, Valparaíso de Goiás, Brasil

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade de Marília (1992) e Mestrado em Ciencias da Saude pela Universidade de Brasília (2002). Atuou como Docente/Supervisora de Estágio da FACIPLAC - Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central, no Curso de Fisioterapia, na área de Prática em Fisioterapia Supervisionada em Pediatria e Neuropediatria Atualmente atua na FACESA - Faculdade Sena Aires, no Curso de Fisioterapia, na área de Prática de Fisioterapia Supervisionada em Pediatria e Neuropediatria; e bem como Docente da disciplina Pediatria Clínica. É Coordenadora do Núcleo de Responsabilidade Social; Coordenadora do Projeto de Extensão Benjamim; Integrante do Núcleo de Apoio Social - NAP da FACESA; apresenta experiência na Docência Superior em EaD; e em disciplinas Híbridas. Tem experiência na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, com ênfase em Fisioterapia, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino em fisioterapia, síndromes e má formações congênitas, paralisia cerebral, espasticidade, terapêutica em fisioterapia, e uso de órteses; desenvolvendo ações com crianças portadoras de deficiências motoras e cognitivas desde 1992 até a presente data.

Luis Gustavo da Silva Meira, Faculdade Anhanguera, Valparaíso de Goiás, Brasil

Possui ensino-medio-segundo-graupelo Colégio Estadual da Policia Militar de Goiás- Unidade Fernando Pessoa(2017). Tem experiência na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Gabriel Alves Sabiá, Faculdade Anhanguera, Valparaíso de Goiás, Brasil

Graduação em andamento em FISIOTERAPIA pela ANHANGUERA EDUCACIONAL(VALPARAISO), GO, Brasil.

Referências

Tadaiesky, R. C., da Silva, R. F., Portugal, L. E. G., Natasha, A., Baganha, A. B., & Freitas, W. M. T. (2019). Atuação da fisioterapia e realidade virtual sobre a marcha de idosos com doença de Alzheimer.JournalofAgingandInnovatoin. 8(3), 50-61.

Pinheiro, Y. T., Moreira, D. C. R. T., Mendonça, R. de M., Freire, B. H. F., Freire, B. H. F., & Veloso, L. de S. G. (2017). Eficácia da realidade virtual sobre o equilíbrio de idosos. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 6(2). https://doi.org/10.21270/archi.v6i2.1788

Oliveira, O. P., Mariana, L. C. O., Karina, N. M. S.., Henrique, P. R P., Mariana, L. O. S. S., (2021). Os benefícios da Gameterapia na Doença de Alzheimer. Research, Society andDevelopment, v. 10, n. 15, e456101523053, 2021 (CC BY 4.0) | ISSN 2525-3409 | DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i15.23053

Lamounier, S. S. P., et al.(2019) USO DA GAMETERAPIA PARA O TRATAMENTO DO DÉFICT DE EQUILÍBRIO E AVALIAR O RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA EM ANÁPOLIS. v. 7 n. 2 (2019): XVII MOSTRA ACADÊMICA DO CURSO DE FISIOTERAPIA

Meira, B., et. al. ( 2017) Efeito de um programa de gameterapia no equilíbrio de idosos.Recebido em 1º jul. 2017 / aprovado em 19 dez. 2017.

DOI:10.5585/ConsSaude.v17n2.7563

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Santos, C. C. T., Meira, L. G. da S., & Sabiá, G. A. (2021). OS BENEFÍCIOS DO USO DE GAMETERAPIA COM IDOSOS. Revista Coleta Científica, 5(10), 45–47. https://doi.org/10.5281/zenodo.6484931